30 de dez de 2012

Ressuscita-me



Ressuscita-me dessa cegueira branca
Que encobrei meus olhos
Deixando-me vulnerável,
Despreparada, com medo...
Faça um milagre
tirando do meu peito
essa dor
Mas se nada puderes fazer
Deixa-me aqui
Perecendo em minhas palavras
Em meus sonhos perdidos no tempo
Onde a validade se faz vencida
Hoje sepulcro de vez o amor que em mim viveu
Esse amor que era teu
E que tantas vezes joguei na sua cara
Mas a sua cegueira era maior que a minha...

Nenhum comentário: