11 de jun de 2012

Não se morre por amor



Ah, não se morre por amor
Já dizia o  grande poeta
O amor é fascinação
É fogo que arde sem se ver
É viver nos extremos
É pensar que vai morrer
É querer estar perto
É um turbilhão de emoções
É como a virgem pura e santa
É como o sol desperto 
Nas manhãs de verão
É sonho, é emoção
É clamor e  é dor 
Mas é dor gostosa de sentir
Que aperta o peito
E faz sucumbir a paixão
Voar nas asas da esperança
Mergulhar num mar de ilusão
Na cegueira da noite
Na luz da escuridão